ÚLTIMAS NOTÍCIAS

01/03/2021 - Covid-19: Infecção relacionada à assistência é tema de webinar do CQH

Na última quinta-feira (25), o Programa Compromisso com a Qualidade Hospitalar (CQH) – da Associação Paulista de Medicina - abordou o tema “Covid-19: Infecção relacionada à assistência” em evento on-line. Marco Antonio Cyrillo, diretor do Hospital IGESP e infectologista, foi o palestrante, e Cibelle Naves de Oliveira, coordenadora do Grupo de Benchmarking Infecção Hospitalar do CQH, a moderadora.

Diante do cenário que o mundo vivencia atualmente com a pandemia de Covid-19, o palestrante relembrou as formas de prevenção e cuidado na época da peste negra, surto de peste bubônica que atingiu a Europa entre 1346 e 1353, causando a morte de pelo menos 1/3 da população.

“A peste negra foi um dos marcos de doenças desde o império romano até a idade média, tirando a vida de milhares de pessoas. Como forma de proteção, os médicos da época vestiam uma roupa de couro, uma vareta branca para ser identificado como médico e uma máscara com fumo porque acreditavam que o ar trazia doenças, então queimavam a folha de fumo para matar os fungos que podiam estar no ar. A vestimenta pode considerada o primeiro EPI já usado”, destacou Cyrillo.

O infectologista ainda lembrou de grandes nomes que revolucionaram a Medicina da época, como Louis Pasteur, Florence Nightingale, Joseph Lister e Alexander Fleming, responsáveis pela descoberta de antibióticos e eliminação e controle de microrganismos. Ainda comentou sobre o médico húngaro Ignaz Philipp Semmelweis, considerado pioneiro dos procedimentos antissépticos.

“Semmelweis foi o primeiro a sentir a necessidade da higienização das mãos, depois de perceber a alta de mortes de mulheres após darem à luz, e sugeriu higienizar as mãos com hipoclorito de cálcio, conseguindo reduzir o número de mortes consideravelmente. Ironicamente, ele morreu de sepse anos depois”, comentou.

Descoberta e evolução dos antibióticos, resistência bacteriana, formas racionais de higienização de ferramentas e o perigo de se contrair bactérias em ambientes hospitalares também foram abordados na palestra.

“As bactérias estão presentes dentro e ao redor do corpo do paciente, e os antibióticos estão cada vez mais resistentes. Além disso, as infecções hospitalares contribuem com mortalidade, morbidade, tempo de internação e, consequentemente, custos para o hospital e paciente”, explicou o palestrante.

Com o movimento antivacina crescendo no Brasil, ao final do evento, Marco Antonio Cyrillo deixou uma mensagem de otimismo em meio ao caos e incertezas causados pela pandemia:

"Não importa, tome a vacina, você e sua família. Apesar das variantes, certamente nos ajudarão de alguma forma”.

Galeria de Imagem